segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Sobre sofrer

Acho importante sofrer. Se entregar a uma dor de vez em quando, pode ser o primeiro passo para superá-la. Pior é negar, dizer que "nem doeu" e se incomodar todo santo dia com aquele assunto, aquela coisa.
Eu sempre me entrego ao que sinto.  Sou feliz demais, sou amiga demais, amo demais, quero muito e sofro pra caralho.
Mas quando se trata de sofrimento, eu não insisto. Sofro muito, por pouco tempo. Sabe como é? Encho o copo d'água com a minha tempestade e depois jogo na pia. Fim de papo. Cabou-se o que era doce. Não vou mais chorar.
As pessoas não acreditam muito quando eu digo, em pouco tempo, que ''já passou". Mas eu falo sério, de coração. Acho que o meu tempo é muito curto pra sofrer por muito tempo. Não pra sofrer muito, porque é inevitável. Mas eu sofro e pronto. Parou ali. 
Enquanto eu vou chorando e repetindo mentalmente o mantra 'puta-que-pariu-caralho-fudeu-essa-merda", eu também mentalizo que não é a primeira nem será a última vez que algo de ruim vai acontecer e que eu simplesmente terei que lidar com isso.
A gente simplesmente tem que lidar com isso. Somos universos. Queremos e deixamos de querer as coisas com uma frequência inexplicável e adorável ao mesmo tempo. 
Se o choro é porque alguém se foi, lembre-se que um dia você já partiu ou irá partir também. Se é porque algo se perdeu no caminho, lembre-se que a estrada deve continuar mesmo assim. Se foi porque deu errado: faça funcionar uma próxima vez. Seguir em frente, um dia de cada vez.
Que amemos mais, choremos mais, ríamos mais, e soframos muito.
Mas não o tempo inteiro. 

Um comentário:

quaresma. disse...

eu sou do tipo novela mexicana, que procura sofrimento por prazer, penso que a vida sem sofrimento perde a graça e dai tô sempre procurando um jeito de sofrer, será que meu problema é grave doutora? .-.

beijas, Má! *: