domingo, 28 de julho de 2013

Meu heavy love

"Eu não sei se o nosso caso vai durar ou não. Se o que eu sinto por você é doença ou paixão...'' (Cazuza)




Detesto admitir sem delongas, mas você e eu somos um caso perdido. Praticamente não existem mais alternativas pra nós dois. É muito tempo de pouca coisa, e eu fico louca remexendo esse nosso emaranhado pra ver se   acho uma beleza qualquer, um romance.
Mas não, temos que nos acostumar com o fato de sermos um amor fracassado. Gostoso, mas arruinado.
O grande lance aqui, é que quem tem um amor fracassado de verdade, quer mais que ele "se foda".  Mas eu não. Tou sempre insistindo em tentar fazer você me querer um pouco mais que isso. Ou me convencendo a deixar você brincar de voltar aqui pra me atormentar e ver se eu consigo querer alguma coisa contigo.
É que essa nossa história, me enche um bocado de inspiração e poesia e vontade de ser um monte de coisa com você, sabe? É tudo muito indefinido e esse nosso eterno "estamos sendo, nesse exato momento. Sendo porra nenhuma", me deixa maluca. Eu fico querendo mais. Claro que depois da cama, tudo isso passa e eu percebo que você não vale um minuto perdido na minha madrugada pensando em nós dois.
Eu até consigo te odiar bastante e querer que você se foda durante a maior parte do tempo. Menos quando estamos juntos. Porque existe alguma coisa em você que me deixa meio “i can get no satisfaction” que é uma delícia. É assim que eu defino o nosso amor: uma música dos rolling stones. Pode rir.É  mesmo um amor descarado, danado, "virado"... Eu não sei não...
Mas deve ser por isso que não importa o quanto eu veja você se deitando e rolando onde bem entender...  Me viciei nessa coisa nossa de desprezo mutuo quando nos convém.
Nosso amor morreu no momento em que nos conhecemos. Não podemos ser nada mais do que uma coisa gostosa e sacana. Um prazer. Uma noite. Um trago. Um café bem forte de manhã. Um beijo na testa e um bilhete colado na geladeira:
"Seu leite acabou. Nos vemos por aí"
E essa sua segurança me intriga. Você vai embora com a certeza de que vou estar exatamente aqui,  esperando você chegar de novo. E você sempre volta. Eu, tolinha, sempre deixo você voltar.
 E a gente se ama, se enche, se devora,se aquece, se enlouquece...e quando eu me preparo pra deixar você ficar, é quando tu se manda de novo.
Da próxima vez eu não posso esquecer de lembrar  que nós dois somos um fracasso juntos. É gostoso pra caralho, mas um fracasso..

3 comentários:

quaresma. disse...

já te falei uma vez e vou repetir que estamos no mesmo barco, mas não sei se tô pior ou na mesma merda que tu, porque tenho uma bagunça que nem a sua e tô começando a viver um romance ao contrário com outro otário, comolidar? .-.

beijas, Má! :*

Ícaro Machado disse...

Olá Maria, como vai?

Em relação ao seu comentário no meu primeiro texto, muito obrigado.
Fico muito feliz em ter leitores como você, que são sensíveis ao ponto de ler, entender e inclusive, escrever também. Isso nos dá um combustível a mais para poder nos expressar sem medo e nos esforçarmos mais para agradar aos nossos ilustres leitores, certo?

Fico feliz também, de um blog como o meu, contendo sexo e outras situaçãoes da vida adulta, não causam uma repulsa ou revolta nas pessoas. Obrigado de verdade.

Também achei nossos textos muito parecidos! Mas quem é que nunca passou por esses amores que nunca dão em nada?

Gosto do seu estilo de escrita. Moderno, jovem, puro e cheio de energia.

O meu blog conta com dois pontos de vista, basta olhar no final do texto para ver quem o escreveu. Espero que goste.

Dicas e críticas serão sempre bem-vindas.

Não é só você quem sempre voltará. Você conta agora com um leitor assíduo.

Grande abraço, Maria.
Até mais ver.

suspirosfloresperdao.blogspot.com.br

Tatiane Trajano disse...

é gostoso pra caralho chegar aqui e ler você..
e tem amores que são assim, as avessas. =/

bjo-bjo!