domingo, 23 de setembro de 2012

Falta nome?

Pra ler ao som de Marcelo Camelo - Acostumar.

''Muita coisa importante falta nome..''(Guimarães Rosa)



Menino, eu ando sentindo tanta coisa...ou melhor, uma coisa só mas que é ''tanta'', sabe? E eu simplesmente não sei o nome disso.

Eu sei que é simples. Tem gosto de ''ficar em casa deitado na cama com preguiça do resto do mundo'', sacou? De achar suficiente. Bastante. Bonito, cheiroso e gostoso, rá. Mais surpreendente é essa     vontade de sentir baixinho, quase sussurrando, e beeeeeem de-va-gar. Não tem urgência. Eu não quero ''gritar pro mundo inteiro ouvir'' e nem mostrar pra todo mundo ver. Quero aqui dentro, guardado, fechado, em mim, calado
.
Sabe quando o sonho é  bom e tu não pode contar senão ele não acontece? Pois é.

Tem dia que eu duvido. Paro e penso que não era assim, tudo isso. Que as coisas andam normais, que aquele pessoal ali do lado parece muito mais feliz que eu... Não demora cinco minutos, e eu lembro de sorrir. Lembro de sentir, e tudo fica ainda mais forte. Você  tem todo o direito de pensar que eu tou maluca.

 Cara, eu acho sacanagem sentir isso. Porque é bom pra caralho,  mas não da certeza. Oscila. De vez em quando dói e ainda assim continua bom. Queria um nome pra isso, uma forma de fazer você entender. Ou eu mesma, já que não entendo.

Já pensei em dizer que te amo. Mas eu não sei. É, cara, não sei. Talvez amar seja tão simples que quando a gente ama nem sabe se chama isso de amor. Porque não é igual na novela e muito menos  nas canções. Acho que é quando a gente simplesmente não precisa de alguém pra se sentir feliz, mas quer. Porque prefere,sabe? Ou quando a gente sente alegria, sente vontade, sente e pronto!

Esses dias eu li Jaya e ela dizia assim: ''Agora olha, Maria. Acho mesmo é que amor, amor é acostumar''.
E cá entre nós, moço, do jeito que eu ando feliz, eu acho que posso até  me acostumar...