domingo, 23 de setembro de 2012

Falta nome?

Pra ler ao som de Marcelo Camelo - Acostumar.

''Muita coisa importante falta nome..''(Guimarães Rosa)



Menino, eu ando sentindo tanta coisa...ou melhor, uma coisa só mas que é ''tanta'', sabe? E eu simplesmente não sei o nome disso.

Eu sei que é simples. Tem gosto de ''ficar em casa deitado na cama com preguiça do resto do mundo'', sacou? De achar suficiente. Bastante. Bonito, cheiroso e gostoso, rá. Mais surpreendente é essa     vontade de sentir baixinho, quase sussurrando, e beeeeeem de-va-gar. Não tem urgência. Eu não quero ''gritar pro mundo inteiro ouvir'' e nem mostrar pra todo mundo ver. Quero aqui dentro, guardado, fechado, em mim, calado
.
Sabe quando o sonho é  bom e tu não pode contar senão ele não acontece? Pois é.

Tem dia que eu duvido. Paro e penso que não era assim, tudo isso. Que as coisas andam normais, que aquele pessoal ali do lado parece muito mais feliz que eu... Não demora cinco minutos, e eu lembro de sorrir. Lembro de sentir, e tudo fica ainda mais forte. Você  tem todo o direito de pensar que eu tou maluca.

 Cara, eu acho sacanagem sentir isso. Porque é bom pra caralho,  mas não da certeza. Oscila. De vez em quando dói e ainda assim continua bom. Queria um nome pra isso, uma forma de fazer você entender. Ou eu mesma, já que não entendo.

Já pensei em dizer que te amo. Mas eu não sei. É, cara, não sei. Talvez amar seja tão simples que quando a gente ama nem sabe se chama isso de amor. Porque não é igual na novela e muito menos  nas canções. Acho que é quando a gente simplesmente não precisa de alguém pra se sentir feliz, mas quer. Porque prefere,sabe? Ou quando a gente sente alegria, sente vontade, sente e pronto!

Esses dias eu li Jaya e ela dizia assim: ''Agora olha, Maria. Acho mesmo é que amor, amor é acostumar''.
E cá entre nós, moço, do jeito que eu ando feliz, eu acho que posso até  me acostumar...




terça-feira, 24 de julho de 2012

Eu tinha certeza

Eu ia te amar só enquanto você sorrise largo e me contasse sobre o seu dia sentado naquela cadeira velha de madeira enquanto eu abria as janelas ou procurava algo na estante.
Era pra eu te amar só até você parar de escolher a música certa pro domingo ou dexar de trazer a cerveja geladinha no ponto.
Eu queria te amar até seus pés deixarem de ser incrivelmente quentes e você perder a mania de repousá-los nos  meus à noite.
Sério, o amor ia acabar no instante em que você descobrisse que existem outras piadas na face da terra e que o humor não se resume às  loiras burras. Ou você descobrisse um filme mais engraçado do que ''se beber, não case".
Bastaria que você parasse de esquecer datas importantes, deixasse de colecionar coisas exóticas, ou não gritasse impropérios pros personagens da novela das oito.
Eu pararia  com esse amor assim que seu tom de voz fosse outro. Sua banda favorita fosse outra. Seu prato favorito, seu ritmo, suas carícias, seus sonhos... Tudo novo.Assim que tudo fosse novo, eu ia deixar de te amar.
Porque, você sabe, eu só estava nessa pelo seu jeito peculiar de levar a vida. Sua  mania de, literalmente, viver um-dia-de-ca-da-vez, assim, devargarzinho.Porque eu sempre amei a sua forma de ser você. Então eu  soube desde o início que qualquer mudança, minima que fosse, destruiria tudo. Me desencantaria.
Mas ai você mudou...
e eu me apaixonei de novo.
rs

domingo, 8 de julho de 2012

Antes de você ir embora

Sabe, eu sempre fui um pouco sem jeito para pontos finais. Meu negócio é virgula. Uma pequena pausa antes de continuar.
 Porque eu sei que ir até o fim sem nenhum tipo de intervalo é de tirar o fôlego. E periga chegar ao final sem nem lembrar direito do começo, tamanha rapidez e atropelo.
O meu problema, na verdade, é com o ponto final. Essa coisa de parar definitivamente.
É, isso sou eu tentando formular um discurso pra dizer todas as coisas que eu quero antes que você vá  embora.
Olha, estive pensando em tantas  coisas que não preciso ficar dizendo aqui, e acabei  concluindo  que a vida sem você não é tão ruim assim. E sob certas perspectivas, é até melhor. Porque você às vezes é um pé no saco.
Acontece que mesmo sendo às vezes a coisa mais desagradável que me ocorreu nos ultimos tempos, estar ao seu lado é maravilhoso.
Sabe, seu abraço é quentinho e forte. Estar dentro dele me faz sentir protegida e abrigada. Seria difícil encontrar outro desses, visto que já passei dificuldades demais com abraços fracotes, gelados e vazios até te encontrar.
Quero que você me poupe do trabalho de ter que utilizar ponto final numa história tão interessante sobre  seu abraço quentinho e eu...
Então é basicamente isso que eu queria te dizer antes de você ir embora:
Fica!

domingo, 27 de maio de 2012

Ciclo

Quanto mais penso em te esquecer, mais penso em você.
Quanto mais penso em você, mais te quero por perto.
Quanto mais te quero por perto, mais te vejo longe.
Quanto mais longe, mais saudade.
Quando mais saudade, mais pontadas no coração.
Quando mais pontadas no coração,mais lágrimas.
Quanto mais lágrimas, mais penso em te esquecer,
Quanto mais penso em te esquecer...

terça-feira, 15 de maio de 2012

O abraço

Às vezes eu me pergunto se abraço é só mais um carinho, ou se é um coração tentando ouvir o  que o outro quer dizer.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Finalmente

Ela largou a caneta e aprendeu que dá pra escrever bem bonito sem usar sintagma algum.
Sem rimas, sem enfeites, sem esforço nenhum.
Pois quando não havia mais palavras, nem poesia e nenhum resquício de dor
 Foi que a menina teve absoluta certeza, finalmente, que o que sentia  era amor!

sábado, 28 de janeiro de 2012