quinta-feira, 28 de abril de 2011

Que pensem, que falem

Ei menina.
É, você aí com esse sorriso tímido e esses passos milimetricamente calculados.
Se volta, criatura. Que o povo aqui fora merece ver tudo isso aí dentro, esse swing, essa alegria, essa vontade, ou sei lá o quê que você tanto esconde debaixo de tanto véu, tanta máscara, tanto medo e tanto olhar.
Sim, estou falando sério. Eu sei que você está com medo do que o povo vai pensar se você tirar esse salto alto, subir a saia e sambar até o dia amanhecer e fazer calo no pé. Ou se você sorrir mais largo pro moço dali, pro moço de cá, e pro moço de lá também.
Que mal há? Vai esconder esse sorriso mais bonito do universo só porque lhe falaram que é coisa que não se faz, distribui-lo por aí? Conversa de desdentado, mulher. Sorri pra gente. Pro mundo. PRA FORA!
É, e não me olha assim não que eu sei que você tá louquinha de vontade de fazer loucuras. E o que são essas loucuras afinal, menina? Ah, mas onde já se viu se privar da vida quando é a única coisa que você só vai poder fazer uma vez...
Errar, você sempre vai. Acertar, tambem. Tentar, também. Vai ter sempre festa, dança, música, gente, beijo, cerveja gelada e gente pra falar.
Mas vida? Ah, sweet, vida é uma só.
Vida só você que vive, só você que sabe, só você que entende.
E boato, fofoca, intriga, regra boba? Você guarda ali no canto, junto com esse sapato e vem pro samba.Pro axé, pro rock e pro silencio. Acende esse olhar, e vai fazer o que você quiser. Se você quiser. Quando quiser. Anda, anda, anda...Antes que seja tarde, pois sempre acaba ficando tarde, eu sei.
Vão falar sim, eu não disse o contrário. Vão falar mesmo se você seguir ''nos trilhos'' e fizer exatamente o que eles querem. Pois então que falem, nem ligue.
O problema é só seu. A solução também.
Viva. Por favor.

domingo, 24 de abril de 2011

Ao ligeirinho

''Com você por perto, eu gostava mais de mim''

Dito e certo: saudade dói.
E quando a gente sente saudade de uma parte que é nossa e deveria, sim, estar aqui mais do que todas as outras partes, pessoas e coisas?
Ah, como é chato encontrar a parte boa da gente e essa parte ser outra pessoa que tem que ir embora pra viver sua propria vida e seguir o seu proprio caminho.
A vontade que dá é de ser tetris, que quando junta as partes, não se solta mais e se vai embora, é todo mundo junto, num relâmpago só, e ZÁZ.
Mas, somos pessoa.
Eu uma, e você outra.
Desculpe a minha idiotice, sabes que são tempos difíceis pra quem respira direito (haha) e eu não consegui pensar em metáfora melhor pra dizer que eu sinto sua falta.
E eu sinto que falta um pedaço de mim, quando você não está.
Eu nunca conheci alguém que me fizesse sentir conversando comigo, sem que eu fosse louca, afinal você sou eu numa versão portátil e masculina, se é que você consegue entender a outra grande metáfora. HAHAHA
Ai, lá vou eu rindo pra estragar a métrica e a poética... viu o que você faz comigo? Aflora a comediante que existe em mim e me faz deixar a profundidade, intensidade e ternura de lado. Contigo eu sou nada mais que um pouco meiga e estridente.
E eu gosto muito mais de ser assim do que de ser a melancolica full time que eu tenho sido agora que eu não tenho você pra me lembrar que tudo posso naquele que me dá carona, me conta piadas e divide comigo o copo de cerveja, o tempo e outras coisas que não convém dizer. Ai, piada de novo.
É muita piada quando eu penso em você, e muito sorriso, gargalhada alta e frase feita. Eu nunca vi uma coisa dessas, essa coisa que surgiu do nada, durou por nada e está aqui ferindo o coração de saudade apertada, que dói mais do que as outras saudades, porque se eu sinto sua falta, eu sinto falta de mim também.
De como eu fico do seu lado, meio bêbada sem alcool e ainda mais bebada que o normal, mesmo com alcool. E feliz.
Muito feliz, de poder ter alguém que me entenda, me complete e me aceite, como você faz.
Eu te amo e deixo claro: é de verdade.
Te amo de longe, de perto, pelo computador, pelo telefone, por sinal de fumaça ou em pensamento.
Mas não vá pensando que isso significa que você tem moral.. Não, moral é outra história...
Moral, só lá no final do filme, depois dos créditos e no fim dos extras, que é quando a gente vai ver o que fazer das nossas vidas.
Por enquanto, que a saga dure mais que rambo, mais que tubarão, mais que tudo, que é pra eu não ter o desprazer de dizer ''Se não tem tu, vai tu mesmo''.

Pronto, dediquei algo a você. Diretamente, claro, porque de indiretas o inferno está cheio, não é Pássaro de Fogo? :)
Um beijo e um queijo.
Dá beijo na Nana por mim.
E por favor, com perdão da palavra, LARGUE DE SER OTÁRIO.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Borboleta

É sério, vem cá, vem ver como é que eu vivo zumbizando e disfarçando frustrações quase que o tempo inteiro. Só eu e meu espelho sabemos de mim, e de vez em quando nem pra ele eu conto. Eu sinto vontade de nunca ter saído do casulo, porque isso de virar borboleta foi a coisa mais difícil que já inventaram desde o sudoku.
Mas né, eu sei e você também sabe que blablablá isso é preciso e blablabla é só uma fase. Mas cadê abraços quando eu sinto medo?
E olha, eu sinto medo toda hora. De tudo, de todos, de mim mesma, de pegar o primeiro ônibus com direção a qualquer porra de lugar e ir pra lá morrer de fome, ou virar hippie, ou prostituta, só pra não ter que viver a vida do jeito certo, porque é difícil e chato e DESUMANO, caramba.
Que eu tenho esse negócio de meter os pés pelas mãos e complicar coisas simples como um relacionamento, sabe? Então você avalie como estou agora, tendo mais do que isso pra administrar. É minha vida.
E eu não tenho paciência pra deixá-la nos trilhos, nos eixos, na direção correta. Eu tenho mais é vontade de dizer ''VIVA VOCÊ ENTÃO, VIDA CHATA. QUE EU VOU FICAR AQUI EM PILOTO AUTOMATICO VENDO VOCE MORRER POR CONTA PROPRIA, E DEPOIS QUEM VAI PRO CÉU SOU EU''
Porque na realidade: eu quero a minha mãe! ''Não sei da psicanálise, mas tenho certeza que "mãe!" é um lugar numa galáxia distante pra onde todo homem sonha ir'', já disse alguém por aí. SÁBIAS palavras. Eu quero ir pra lá, voltar pro meu casulo e ser a velha lagartinha de sempre, ok? Tá bom pra mim do jeito que era, viu? Só avisando, caso você queira saber.
Eu não consigo continuar.
Mas o pior de tudo, é que eu também não consigo desistir, e nem vou.
...

sábado, 16 de abril de 2011

Sabe?



É impressionante como não consigo respirar direito na sua frente.

Você vai, volta, faz e acontece, me deixa com ódio mortal até mesmo de tudo o que eu sei que gosto, e aí eu te esqueço. Bom sinal.
Só que dali mais um tempo, você vem. E eu perco o chão, o ar, os movimentos, a sensibilidade, a porcaria do bom senso. Sabe a vozinha dentro da gente
que às vezes ecoa dizendo ''Não vá por aí.. você sabe que dá merda..'' ? Pois é, basta você chegar de novo e essa danada fica emudecida.
Provavelmente pelo mesmo motivo que todos os órgãos do meu corpo que simplesmente calam pra lhe ver passar.

Eu estou falando assustadoramente sério quando digo que a fala se perde no vácuo do universo toda vez que você me faz uma pergunta.
Raciocínio? Fico em dúvida se é de comer ou passar no cabelo.
As ordens no meu cérebro são claras: AGARRE-O. TRAZ PRA SI. DIGA LOGO QUE QUER MESMO É DEITAR ALI E NUNCA MAIS LEVANTAR DO SEU LADO!
Impressionante.

Daí eu deixo você vir, de novo, mansinho, daquele mesmo jeito que você veio todas as setenta e oito mil vezes em que eu lhe deixei ser o filho da puta que você é.
E você senta no sofá, pega o controle da tv e reclama de todos os canais. Desliga a tv e reclama do silêncio. Liga o meu som e reclama do meu gosto musical. Desliga o som e reclama da fome. Vai à cozinha e reclama do meu pouco talento culinário. Sai da cozinha e pede uma pizza. E reclama de eu ter reclamado do sabor. E sabe? É sempre a mesma coisa quando você volta. É sempre igual quando você vai embora. E eu sempre serei essa imbecil aqui, que aceita, abre a porta, cede o controle da tv, a mão, o pé, os discos antigos pra você bisbilhotar e o telefona pra pizzaria pedindo a bendita pizza de atum que você sempre quer.

Só estou dizendo isso porque acabei de me lembrar que faz tempo que não como pizza. E acho que, sinceramente, você está demorando demais pra voltar dessa vez...sabe?