quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Das conversas com Bukowski


Escuta, velho. Tu tem razão em tuas rabugices, cá entre nós. É tudo uma grande merda, uma babaquice, um teatro mal ensaiado dos caralhos. E eu simplesmente tô cagando pra essa gente. Tem sempre alguém pra falar uma coisinha insignificante, que deveria estar descendo descarga abaixo e eu tenho que digerir ouvido adentro. E isso me incomoda seriamente, viu. 

Tenho preguiça de papinhos, relações, tô sem saco. A vida tá parecendo um boquete mal-feito por uma puta sem peito, sabe como é? Tô sentindo umas agonias esquisitas na espinha, uma ansiedade engraçada. É uma espera por qualquer coisa que não sei se vem e se vier, será em vão (ou pelo menos é esta a sensação).
 
E sei lá eu quando fiquei assim, demasiado aborrecida com coisa alguma... deve ter sido mais ou menos ao mesmo tempo em que o pássaro azul no meu coração resolveu voar. Claro, depois de me foder, me deixar sem jeito e arruinada é que o danado resolveu partir. Maldito pássaro. Maldito sentimento de seja lá o quê.
 
Fora isso tem todas as outras coisas do mundo pras quais eu não dou a mínima: bolsa de valores, exames admissionais, instituições, blablablá. É muita coisa pra fazer, pra muito pouca vontade. É muita ocupação de tempo pra pouca disponibilidade. A gente tem que ter, que fazer, que ser. Ah, de repente eu me toquei que a  gente morre sem bem nenhum, e afinal, quem é que nasce, vive e morre com algum?
 
Então eu tomo uns goles de conhaque e deixo tudo pra amanhã.

12 comentários:

Fernando Lago disse...

Adorei a postagem, Maria. Ri litros, bebi os litros e ri de novo (eca).

Gosto do seu jeito livre de escrever e do seu pessimismo ranzinza e ao mesmo tempo cheio de humor.

Muito bom! =D

bêju

Nati disse...

E se continuarmos deixando para amanhã, será que nunca iremos fazer? Beijo

Stella Rodrigues disse...

DESBOCADA REPARE

Stella Rodrigues disse...

adorei haha, me pareceu aqueles textos que cai no enem, de regional. Sei lá, me soou meio assim. Muito bom.

Thayana Goulart. disse...

Quanta 'ternuuuura'! HAHA.

Eu não ri enquanto lia porque fui pensando: 'Putz, isso que tentei escrever ontem.' Rá!

Aqui tá igual e eu cansada de tudo isso. Também tenho deixado para 'amanhã.'
Melhor comprar mais conhaque pra gente, caso falte.

Arrasou, menina.
Um beijo.

Adna Martins disse...

Essa liberdade na escrita, desprende quem ler, e cativa. E fico sorrindo daqui com a MariaEspontânea no que diz.

E quem se incomodar com a ousadia de voo dessa moça..."Eu simplesmente tô cagando pra essa gente."

Luna Sanchez disse...

Eu sou muito fã do velho Buk, muito mesmo. E teu texto tá incrível, mulher, um ritmo, uma bossa...Adorei!

=*

Letícia Vasconcelos disse...

muuito bom hein? =) fugindo dos padrões.. gostei mesmo do seu jeito de escrever..beijo! ;)

Carolda disse...

SUA LINDA!
Sempre me imaginei dialogando com esse velho nojento enquanto o lia. Aliás, preciso lê-lo mais. Sinto falta dessa acidez e falta de esperança.
E é, também adorei o ritmo dsse seu texto, meio bossa. Não pare de escrever, tá?
Beijo procê.

Gabriela Freitas disse...

"Tenho preguiça de papinhos, relações, tô sem saco." exatamente isso

Paulo Vitor Cruz disse...

"A vida tá parecendo um boquete mal-feito por uma puta sem peito, sabe como é?"

sei n... como é?

delicate princess disse...

"Ficou tudo lindo" ... e... que seja ETERNO enquanto dure... já ta valendo ;)


E... se eu estiver errada... que me corrijam...