sábado, 8 de janeiro de 2011

A moça no espelho

E ali está ela. Olhos escuros e em formato de azeitonas deitadas, nariz esparramado no centro do rosto e lábios carnudos. É agradável de olhar, mas ávida e geniosa demais para ser dita bonita, sabe? Desde pequena, dizia muito mais coisas com os olhos do que as pessoas conseguiam entender, daí que um dia ela cansou desse negócio de palavras-no-olhar e decidiu: ''Vou escrever''. A convicção era maior do que a habilidade, mas tudo foi se encaixando imperfeitamente do jeito que tinha que ser. Hoje em dia ela fala tanto com os olhos quanto com escritos e eu me pergunto se um dia vai saber falar com a boca, também. Sim, porque nunca vi gente pra se enrolar com o que diz mais do que essa aí. E a ela faz jus a fama de desbocada.
Arrogante? Talvez seu maior pecado seja crer que alguém tenha ouvidos como os dela, contidos; mas de cabeça aberta. Domina o mundo das relatividades. Tudo pra essa moça aí depende do referencial adotado. Ela é um Isaac Newton que, em vez de maçã, recebeu foi uma jaca na cabeça e perdeu os eixos.
Não tem muitos amigos, porque gosta mais de piadas. E esses poucos, são maioria garotos. Segundo ela, eles sabem abraçar forte - sinal de sinceridade - e não têm bobagens ou muitas desvantagens que algumas garotas trazem pra a amizade. Às vezes, fala coisas em que não acredita, por pensar que assim é o certo, e se engana. Faz suas escolhas, todas, de olhos fechados e de vez em quando erra. Mas assim acredita ser facilmente compreensível e justificável.
Aos dez anos, descobriu que os livros diziam muito mais que as bocas infantis com as quais era obrigada a conviver. Falavam que ela comia livros, mas era mentira; Eles é que a devoravam de dentro para fora, faziam ninho em suas raízes e cresciam até voar. E se fizeram dentro dela, que hoje é pura literatura, apesar de não saber ainda.
Sua maior peculiaridade está em ser muitas. ''Todas elas juntas num só ser''. Ou pelo menos tenta. E às vezes se perde nessa imagem de sí mesma, porque de vez em quando se esquece de quem está sendo no exato momento. Paradoxo mesmo é o mundo, ela é só um produto do meio. Um produto no meio.
Medo mesmo só de borboleta, acidente de carro e bala perdida. Preocupação, na verdade, só com decepções - para sí ou para os outros.
Detesta que concordem com ela muito rápido e não suporta que discordem. Todos para ela são como protótipos de criaturas de problemas bizarramente intensos e mesmo assim tão ínfimos, que jamais farão ideia de sua sorte. Verdade seja dita: sua busca é por auto-compreensão. Ultimamente, vem tendo dessas de acreditar em astrologia, astronomia, e que mais puder dizer a ela que porra é essa que está acontecendo com sua vida. Mas ela se conhece como jamais ninguém o fará e após muito silêncio para consigo mesma, hoje também se reconhece. E fala de si com uma facilidade assustadora, por mais egocêntrica que pareça.
Sabe que dói nos outros, mas é quase sem querer, e os faz sorrir mais sem querer ainda. É Maria Midlej, a moça no meu espelho...

E hoje ela sorri incerteza. O seu melhor sorriso.

17 comentários:

Mariana Andrade. disse...

queria conversar "olhos nos olhos" com Maria Midlej..
ela parece ser bem mais interessante do que essas pessoas vazias que vivem aqui por perto.


beijo grande.

●๋• тнαi иαรciмєитσ disse...

Texto interessante, pessoa interessante.
E há quem pense que abrir a boca é o único jeito de falar, ser ouvido....


Ah, adorei a metáfora dos livros que ' a devoravam de dentro pra fora'

:)

ticoético disse...

Eu,que tenho medo de tantas outras coisas,senti-me um frouxo ao ler que tens medo de borboleta,hehehe *(mesmo sendo desnecessária a comparação,fica como informação excedente) enfim,me vi também otimista em saber que existem ainda pessoas conscientes das próprias atitudes,isso é bonito.
abraço !

Marcelo Zaniolo disse...

Comecei a ler e fiquei me perguntando quem que era essa menina que você ia descrevendo. Pensei que devia ser alguem que você conhecia muito bem, ou um personagem muito bem criado e descrito.

No fim, fui obrigado a abrir um riso, né? Porque, ao menos penso assim, eu estava certo em ambas as situações. Você parece se conhecer e se descrever bem, e eu acho isso duas coisas muito importantes para uma pessoa! Hehe

Beijo!
E pode deixar que tento postar algo essa semana! Haha

Marcelo Zaniolo disse...

Correção:

"E eu acho ESSAS duas coisas muito importantes..."

Beijo de novo.

Rebeca Amaral disse...

Bonito ver alguém que se conhece tão bem... Me pareceu que você tem um domínio tão grande sobre você, e mesmo sorrindo incerteza cê se mostrou tão segura. Gostei muito, de verdade. Além de muito bem escrito, é um texto bastante sincero. Um beijo.

Guilherme Damasceno disse...

Meu melhor sorriso não existe, hahaha. Pelo menos, você tem um.

Beijo.

Alguém... disse...

Venho desejar um ano de 2011 cheio de alegrias e tudo de bom.

Beijinho, e obrigada*

Felipe Braga disse...

Isso é mil vezes você. Mais eficiente do que o espelho, - ou talvez o verdadeiro - você não se deu ao trabalho de talhar a moldura. Foi além: você mostrou as cores e arrancou sorrisos e expressões faciais com as palavras.

Diante das letras, que talvez sejam o espelho da alma.

Eu adorei.

Beijo, Midlej.

Nine disse...

Ah... O falar com os olhos e os escritos...
As mais belas e intensas linguagens que existem!
*--*

beijão, má!
Ótimo 2011...

=*

mari. disse...

Má... Hehehe. Vi seu comentário lá no blog.
Olha só, descrever-se é uma coisa, criar uma imagem distorcida de você mesmo pra chamar a atenção de alguém, são outros 500.
Criar perfis ridículos só pra alguém puxar seu saco, é uma 'putrefata' auto promoção.
Enfim, nada tem a ver com seu post. Sem contar que tua escrita é sensacional, e quisera eu ter tamanho talento.

=)

Laura K. disse...

Sigo pelo velho ditado:
"boca fechada não entra mosca". Pois bem, ouvidos abertos, papel e lápis sempre por perto.

Veronica Rodrigues disse...

Hoje li um texto parecido com esses, e ambos estavam ótimo.

Nunca me arrependo de passar por aqui.
um beijo.

Camila Fontenele disse...

É bom se conhecer, se descrever.
Ficamos mais intimos.

Você é uma pessoa bem bacana e muita coisa me vi aí.

Beijo

Carolda disse...

Egocêntrica. Ó eu aí. Mas se eu não falar de mim, quem é que vai falar? Pois é. Se for pra falar mal, que seja eu mesma .D
Beijo beijo

Dayane Pereira disse...

Só a gente mesmo pra entender e descrever a gente mesmo!
Gostei muito!

Andressa disse...

Impressionante, em algum parágrafo esquecido, nas entrelinhas, de uma forma ou de outra, sempre me identifico com seus textos.