terça-feira, 28 de setembro de 2010

duas coisas podem acontecer

Eu posso ser boba ou aprender rapidamente.
Se aprender rapidamente, tudo bem.
Mas se for boba, duas coisas podem acontecer:
Terei em minha vida caras legais ou idiotas.
Se forem legais, tudo bem.
Mas se forem idiotas, duas coisas podem acontecer.
Os ignorarei ou me apaixonarei por eles.
Se ignorá-los, tudo bem.
Mas se me apaixonar, duas coisas podem acontecer.
Me envolver ou deixar pra lá.
Se deixar pra lá, tudo bem.
Mas se me envolver, duas coisas podem acontecer:
Eu posso ser feliz ou sofrer.
Se eu for feliz, tudo bem.
Mas se eu sofrer, duas coisas podem acontecer:
Eu posso permitir que ele me iluda ou mandá-lo embora.
Se eu mandá-lo embora, tudo bem.
Mas se eu permitir que ele me iluda, duas coisas podem acontecer:
Eu posso ser boba ou aprender rapidamente.
Se aprender rapidamente, tudo bem.
Mas se eu for boba, duas (tantas, terríveis)coisas podem acontecer
(...)


(Inspirado -quase que copiado- no curta: Na Vida de Um Homem Duas Coisas Podem Acontecer -

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Esmiuçando

Quando eu disse ''Vem aqui''
Não queria que viesse com tudo e esse bando de carinhos que não me pertenciam.
Eu só queria uma visita. Uma companhia.

Quando eu disse ''Gosto de você''
Eu não estava sendo amiga e companheira. Eu não estava me dispondo a ouví-lo por horas enquanto discorria a respeito de suas outras aventuras.
Eu só queria você cada vez mais perto.


Quando você disse ''Conheci uma garota''
E eu disse ''Como ela é?''
Eu não estava me conformando com a amizade, eu estava apenas querendo saber o que ela tem que eu não tenho.

Quando eu disse ''Não dá mais''
Eu não estava te mandando embora.
É que eu tomei consciencia de que o que era meu em você, era de outras pessoas também.
Não dava mais pra dividir.

Quando eu disse ''Eu te amo''
Eu não estava querendo dizer que sinto borboletas no estômago, crises cardíacas, suor nas mãos e nem nada disso.
Eu só não conseguia suportar a idéia de perdê-lo pra sempre.

Quando você disse ''Vamos ser amigos. Amor eu não quero agora''
E eu disse ''Consigo entender'', eu não estava sendo compreensiva e madura.
Eu estava mandando você se Fuder.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

destruir antes que cresça

''Uma compulsão horrível de quebrar imediatamente qualquer relação bonita que mal comece a acontecer''


É um certo medo inevitável de sentir aquela dor novamente, que te pega pelo topo da cabeça e vem descendo, doendo milimetricamente cada partícula do seu corpo, só pode ser isso. Porque tu tem uma aversão tamanha a se deixar envolver por alguém, que chega a ser quase insuportável chegar perto. Mas a gente chega, moça, porque é difícil não se deixar levar por seus encantos que começam, ainda tímidos, com seu olhar apertado de miopia e seu sorriso bem largo quando quer sorrir.

Problema é quando a gente fica perto, eu sei, porque a gente acaba desmoronando teu tão bem construído muro de certezas e penetrando num mundo que foi tão cuidadosamente idealizado pra que nunca mais doesse e se esquecendo que uma vez feito isso, a gente não deveria ir embora sem aviso prévio, sem motivo aparente. Mas a gente acaba indo, porque no fundo no fundo tu ainda tens ressalvas. E isso assusta, viu menina? Esse seu 'não se mostrar por completo' de que muita gente fala, é bem verdade. Tu não se mostra, não se deixa. Aí a gente entra e tá oco. Tem nada aí dentro não? Escondeu as coisas boas ou jogou todas fora?
Esquece o que de ruim pode acontecer e toda essa confusão sua. Pára de querer saber do fim antes que as coisas comecem. Larga mão dessa mania de escrever sua propria história com um final tragicômico e deixa ser. Escolhe as cores, os caminhos e vai. Porque viver é basicamente isso.

É que alguem precisa chegar com coragem e vontade de lhe fazer perceber toda a maravilha que você é. Pra que nao sejam necessários mais muros, nem medos, nem planos, nem restrições. Daí as coisas vão acontecer da forma normal, propriamente dita. Mas nao depende só de outra pessoa, depende de você saber que vai doer, toda vez que alguém for embora, vai doer toda vez que alguém quiser vir, e vai doer... TODA VEZ. Mas uma dor nunca será a última, nem a pior. E se deixar abater por isso é o que lhe deixará cada vez mais sozinha, cada vez mais trancafiada dentro de si.

Se solta.
Que aí ninguém nunca mais vai querer te soltar.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

O amor acontece

Foi um olhar, um sorriso.
E um encontro inesperado
Mas cheio de expectativas.
E durou. Vinha durando...
Mas esse olhar se desviou e encontrou felicidade no canto de lá.
Sabe, não adianta tentar segurar, puxar e arrancar.
Você não pode impedir o amor de acontecer...
Só lamentar porque não foi com você.

De um caderno meu de 2008.

domingo, 5 de setembro de 2010

Você é a pessoa favorita de alguém?

Sabe as coisas rápidas e maravilhosas que acontecem em flash quando a gente conhece alguém especial? E não falo só de paixão, amor, e essas coisas que terminam em namoricos; falo da amizade, cumplicidade e confiança que surgem assim, praticamente por geração espontânea numa mesa de bar, na fila do banco, na última carteira da última fila da sala de aula...
Basta um minuto e você sabe bem no fundo, que quer ter esse alguém por perto pelo maior espaço de tempo possível. É como uma vontade de roubar essa pessoa, colocar num potinho e guardar dentro da sua gaveta, pra sabê-la sempre sua. Aqueles instantes de poucos gestos, poucas palavras, poucos olhares e absurda certeza incoerente, fazem dela, sua pessoa favorita.
Claro que isso não quer dizer que em anos de uma vida, a gente só conheça uma pessoa pra ocupar esse título. Acho, inclusive, que é o mais efêmero dessa hierarquia toda dos sentimentos, o que não o torna de maneira nenhuma, menos interessante de sentir.
Andei pensando nas minhas pessoas favoritas. Algumas que me fazem uma falta tremenda, outras que são só lembrança, e as que prevalecem e até hoje me surpreendem. É gente que consegue me fazer sorrir só de lembrar, que sabe exatamente o que e quando me dizer, que sabe calar no momento exato e tem o melhor abraço dos abraços do mundo. São pessoas que me abraçaram com palavras, gestos e momentos que fizeram essa minha vida ser mais confortável de ser vivida. Ter por perto essas pessoas é tão bom, tão grandioso, tão bonito... E pensar nelas, me fez pensar se causo o mesmo efeito em alguém.
Queria saber se existe alguém aí ouvindo uma música bem ridícula e clichê e lembrando de mim. Se alguém ao caminhar pelas ruas consegue se lembrar com carinho dos lugares em que estivemos juntos. Se alguém já escreveu textos de amor pensando em mim. Se, no fundo, existe uma pessoa sequer no mundo que pense em ligar pra mim antes de qualquer um pra contar uma novidade. Será que algum coração palpita ao me encontrar ou ouvir falar de mim?
Afinal, será que eu sou a pessoa favorita de alguém?



Inspirado no curta de Miranda July
Are You the favorite person of anybody?