quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Sístole e Diástole

Sobre começo, meio e fim do que chamamos de amor.


Quando amor transborda é um problema, porque se espalha.
De repente, um aperto e um enlaço: é tudo junto, misturado.
Alegria que chega a ser felicidade.
Bons momentos, apertos, sabores, vontades.
E atestado: Eu estou apaixonado!

De repente, bagunça.
Partida, despedida, desenrolo, quebra.
E dor.
Começa o questionamento sobre o amor.

Hora de cometer loucuras.
Implorar, insistir, convencer.
Tentar de novo, quebrar-se de novo.
E aí volta a doer.

Depois da tempestade, calmaria.
Dor fraca, pontada de vez em quando.
Sentimento de ridículo.
Pergunta-se: ''Mas que diabos eu estava pensando?''

Prefere ficar sozinho, esquece do mundo
Reconhece os prazeres da vida...
E o coração?
Se enche de sangue,antes da próxima batida.

21 comentários:

Marcelo Zaniolo disse...

Verdade, é tudo isso mesmo.

E, por pior que tenha sido a paixão anterior, sempre haverá uma próxima vez.

Resta ao coração fazer o que você disse: "se encher de sangue, antes da próxima batida".

Muito bom =)

Beeijo

ps: o título me lembrou da época em que eu estava no vestibular! Haha

Erica Ferro disse...

E volta a bater, a sangrar e a doer.
Eis o amor, o amar.

mari. disse...

É como andar em círculos. Nunca tem fim. Ou tem, quando encontra um certo alguém.
Que bom!

=D

Gislãne disse...

é um ciclo afinal.

:)

Larissa disse...

Vai ser um ciclo, interminável. Tiramos muitas lições das dores, até encontrarmos quem realmente cure as feridas de outros amores. É só saber esperar, ele logo chega :)

Mariana Andrade. disse...

aaaah, quando ele não acaba e é obrigado a aguardar. não sei o que dói mais.

Henrique Miné disse...

poxa, mas voltando a bater tá boom, né! eheh


beeeeijos!

Carolda disse...

Tenho problemas com rimas. Acho que poetizar até sei, mas quando chega nas rimas... fudeu.
Texto gosto de ler... adorei o jogo de palavras.
Um beijo

Tamara Lacerda disse...

uma narração perfeita do que é comum viver pelo menos uma vez na vida (ou um milhao dessas vezes).

parabens, querida
ficou ótimo ! :)

beijao

Ana Vicente disse...

Fantástico, principalmente o título.
Bjs

Luciana Brito disse...

aamm, fiquei pensando se amar é mesmo um ciclo. Se for, significa que está sempre se renovando e não tem fim, daí sossego.

Mas, e se não for?
enfim...

Beijo, Má!

Renata disse...

Tão bonito que eu queria ter escrito isso aí ó. E o amor eu não sei, mas meu coração é ciclico (:

Au disse...

"Hora de cometer loucuras.
Implorar, insistir, convencer.
Tentar de novo, quebrar-se de novo.
E aí volta a doer".

Completamente verdadeiro.
Amar é assim mesmo, quando pouco torna-se desinteressante, quando é muito nos atrapalhamos por demonstrar demais (e não o necessário).

Complicado.

Já me disseram que talvez a graça esteja justamente em toda essa incerteza...


Beijo!

Jaya Magalhães disse...

Má,

Quando tu escreve em versos eu já chego preparada. Porque eu sempre fico eufórica. Acho que tu devia juntar essas poesias todas e montar um livro bem lindo, autografar e me dar de presente. Que tal?

E sei lá, tem tanta teoria sobre o amor que eu já nem sei onde ele anda enquanto a gente se quebra.

Fato: no fim o coração sempre bate de novo. SEMPRE!

Besito.

Felipe Braga disse...

Vou lançar um manifesto com seu poema, Má. Porque é isso tudo mesmo.

Beijos.

@bellanogueiira disse...

Rá! Senti isso recentemente. Tudo isso. E aí o coração já voltou novamente a bater, e espero que não venha a sofrer, tudo outra vez.
Mas nem sei porque espero isso, já que é realmente tudo finito.
Beijos, adoro cada vez mais este lugar ;*

bellanogueiira.blogspot.com

Rafael Castellar das Neves disse...

E o coração? Boooommmm.....

Ótima descrição esta sua!!

[]s

Nine disse...

Nossa má,

esse texto está incrível!
Muito verdadeiro!
Aiai...chega deu uma pontadinha aqui...
engraçado que permanecemos nesse ciclo o tempo inteiro!

teenso.

beijO

ratoderua disse...

Penso como você. Mas acredito que os grandes amores, aqueles arrebatadores como diria Lenine, são assim, tempestuosos. Cheios de intensidade a cada coisa. Seja ela boa, ou ruim. Imagina um amor "Tudo bem" onde não existe choque de opiniões, vontades e desejos. Onde duas pessoas concordam com tudo e dizem amém sempre uma pra outra. Seria horrível. Onde estaria o tesão em uam relação como essa? A paixão desenfreada e tantos outros sentimentos e sentidos intensos que fazem toda diferença em nossas vidas?

Mas eu te entendo PERFEITAMENTE. De verdade, mesmo! Eu costumo dizer que meu coração, parece um Gladiador Romano. Por que? Hummm... Farei um post sobre isso, qualquer dia desses =P

Se cuida, doida!

Bjs.

Lívia Inácio disse...

Suas palavras conseguem nos tocar tão a fundo!

Liiv disse...

Vivemos, choramos, aprendemos, concertamos... Depois vivemos de novo, choramos, concertamos...
um belo ciclo, se você saber percorrê-lo.

adorei seu blog!!
To seguiiindo
;*