quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Vida fácil?

Ah quando foi que tudo se complicou assim, nesse nó difícil de desatar e que a gente às vezes nem sabe se tem vontade que desate?
Os mais velhos adoram dizer que ''é uma fase'', e já estamos mesmo é fartos de esperar que passe. Os dias, diferentemente da fase, passam rápido,
corridos e nem os vemos. Nem sequer aproveitamos mais o nascer ou o pôr-do-sol, porque não temos tempo para isso.
E ainda vêm aqueles saídos de sabe-Deus-onde, com o velho clichê barato de sempre ''Você não faz nada da vida... Não tem responsabilidade nenhuma. Sua vida é fácil.''
Fácil? Não achamos fácil acordar todos os dias antes do dia nascer e encarar, cansados, rostos estranhos - igualmente cansados- como numa obrigação dessas que não se entende o motivo. Não recebemos salário por isso.
Não achamos fácil receber puxões de orelha e gritos ao pé do ouvido todos os dias, sem interrupção. Não podemos processar ninguém por isso.
Não achamos fácil falar e conhecer coisas que daqui a algum tempo não lembraremos nem se quisermos. É, nós sabemos que não iremos lembrar.
Não achamos fácil. E de fato, não há que se achar.
Estamos ficando cada vez mais loucos, e não é só um pouco. Temos medo de decepcionar os que de nós esperam muito. Sabemos que esperam mesmo que digam que não.
A gente sabe e entende que é só o começo e que não estamos nem perto de entender a vida ou o que passaremos no futuro- que vem chegando a passos largos.
Mas, só queremos que parem de falar. De perguntar. De opnar.
Queremos um pouco de paz, de silencio, de video-game e computador, pra começar. A gente quer que a vida seja fácil - de verdade- por mais algum tempo.. é pedir muito?

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Quem disse?

Quem disse que eu quero que você me ligue toda noite só pra saber se eu estou bem, com aquela voz irritante que, de mal a mal acaba me confortando e me fazendo sorrir? Quem disse?
Quem disse que eu gosto quando você me abraça apertado quando estou de mal humor e cabelo bagunçado no meio da rua?
Quem disse que eu gosto do jeito como você me olha?
Quem disse que eu por um minuto sequer, sinto vontade de te abraçar, te beijar e ter você por perto?
Ora, faça-me o favor de acabar com essa pretensão, tá?
Quem disse que eu sinto ciumes quando você está com outras?
Quem disse que eu vou me importar quando você desaparecer?
Quem disse que eu gosto quando você critica minhas roupas, ou o meu corte de cabelo?
Quem disse que eu gosto das coincidencias infelizes que te colocam na minha vida, a todo momento?
Quem disse que eu te amo? Quem?

domingo, 27 de setembro de 2009

Sua confusão.

Papéis rasgados espalhados pela mesa e pelo chão. Você levanta, anda e volta a se sentar com a mesma pergunta ainda ecoando pela sua mente: ''O que fazer daqui pra frente?''
Você se apega a lembranças do passado - sabe que é isso que os medrosos fazem - e tenta se esquecer disso que não tem resposta - ainda. Nada vai ser igual, você sabe. E é exatamente isso que te assusta, não é?
O futuro vem chegando a passos largos e não há como atrasá-lo. São muitas decisões a tomar e coisas a fazer. A começar por arrumar essa bagunça nesse lugar que você costumava chamar de quarto, e hoje é quase impossivel acreditar que alguém realmente durma lá. Depois disso, você vai arrumar a bagunça em sua cabeça, promete a si mesmo.
Mas acaba por não fazer coisa nenhuma, como sempre, e se entregar ao doce e acolhedor sofá.
E quando você olha no espelho, vê aquele monte de matéria que insiste em chamar de ''eu''. Embora nada tenha mudado, tudo ao seu redor está diferente e você sente que tem que ficar assim também. As pessoas exigem isso a todo instante: ''você precisa mudar!''.
Você está tentando. Se alguém realmente quisesse, perceberia o quanto você se esforça e a cada dia se convence de que é impossível. O que você mais quer é poder gritar, espernear e talvez, chorar.. mas não pode mais fazer isso. Não condiz.
Será que existe alguém nesse mundo que lhe entenda? Ou melhor, será que algum dia, você mesmo será capaz de SE ENTENDER? Aí sempre tem alguém que interrompe seus -SEUS- pensamentos, e diz:
- Pode acreditar quando eu digo que nesse barco, meu amigo, você não está sozinho. E que as pessoas que aparentam ser as mais incrédulas criaturas e mais cruéis também, só querem te ajudar.

Você não quer ouvir agora, e as deixa falando sozinhas. De novo. Corre pro seu ''quarto'', senta novamente e volta a escrever um bocado de sentimentos descartáveis e palavras indizíveis.
E lá se vai mais um papél amassado no meio de tantos outros...

sábado, 26 de setembro de 2009

Anna e Má

Anna sempre foi pequena, assim.
Má, foi pequena, mas cresceu.
Anna gosta de falar.
Má, também gosta.
Vai ver é por isso, que quando elas estão juntas,
quase ninguém consegue participar da conversa.

Desde sempre e pra sempre.
É o que elas dizem, e
apesar do fim, que é eminente,
essa amizade não parece, de fato, acabar.

Anna sempre gostou de brilhar.
Má, sempre gostou de vê-la brilhando.
Anna e Má, Má e Anna, passaram foi por muita
coisa pra chegar até aqui.
São 10 anos. Meudeus, 10.
E acredite ou desacredite,
pense da forma que quiser,
tudo com elas sempre foi sincero.


Nunca, em 10 anos - gostoso repetir isso -
ficaram sem se falar por mais de dois dias.
E dois dias esses que elas torciam pra passar
depressa.


Anna sempre liga pra Má.
Má, sempre espera a Ana ligar.
É um amor de irmãs.
Amor é palavra forte, mas aqui cabe usá-la.
Anna e Má, nunca vão se separar.


(para minha Anna, com dois N's. Que eu amo muito, muito mesmo)

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Conversas por aí ...

Sobre o Coração

A garota e o garoto, andavam calados pelas ruas debaixo de um sol escaldante e brilhante. Cansado do silêncio, ele disse:

- Você quer o meu coração?
- O quê?
- Você quer o meu coração EMPRESTADO? - disse ele, dessa vez calmamente.
- E pra que raios eu haveria de querer ter o seu coração EMPRESTADO? - ela usou um tom de extremo deboche dessa vez.
-É que você não parece ter um..
-Eu tenho.
-Então porque não aprende a usá-lo?

Ela se calou, ele também. E seguiram assim, calados.

domingo, 20 de setembro de 2009

Enquanto eu respirar.

(Para o meu garoto)


Você é desse jeito calado e faz aquela cara -que todos tentam imitar inutilmente- toda vez que acha estranha qualquer coisa que alguém diz.
Mas, eu gosto de você sabia?
E vou gostar um monte ainda, porque mesmo sendo a pessoa que eu mais conheço - ou mais PENSO que conheço-, ainda tenho muito a descobrir de ti.
Porque a gente não discute, não se mata. A gente vive junto e muito bem.
Não sei o que se passa contigo agora, mas isso realmente não importa. -Digo, não importa saber. O que acontece, importa.
Importaria a você se eu dissesse que estou aqui pra qualquer coisa? ( desculpe dizer assim o que todo mundo diz )
Somos amigos, e isso me deixa tão feliz..
Tão bom chegar em casa, sentar e te contar qualquer coisa. Cantar. Ouvir. Falar.
Ê,você me tira do sério com sua prepotencia -tão característica de nós dois...
Mas, eu adoro você sabia?
E adoro o seu cabelo bagunçado de manhã, e seu jeito tímido quando eu falo bobagens em público. Sabia que você fica vermelho? É, fica sim.
Eu sei que você, mais cedo ou mais tarde, vai embora. Embora não, morar fora.
Seja lá o que for, pra onde for, quando for e etc,etc,etc... ainda vai morar em mim.
Somos família. Eu e você.
E quem tá de fora, não vê nem metade do que somos e representamos um pro outro.
Vou sentir falta das pequenas coisas.. das briguinhas e dos rompantes. Vou sentir falta de ser eu, já que não sei se saberei sê-lo, sem te ter por perto.
Vê se volta, nem que seja de visita, me trazendo um presente legal. Eu vou ficar aqui te esperando, ou até posso ir lá te encontrar.
O futuro nos espera, meu bem. O seu chegou mais cedo que o meu, mas lá adiante a gente há de se encontrar.
Um dia, seremos tudo o que temos. Eu terei você, e você terá a mim.
Nossos filhos serão primos e vão brincar aos domingos ou qualquer coisa assim.
Eu te amo, sabia?

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Começou assim, fácil.

Ela pegou um ônibus porque havia perdido a carona.
Ele pegou um ônibus porque sempre pegava ônibus.
Ela foi pra perto da porta, porque detestava ônibus cheios.
E sentou na janela pra tentar respirar no caminho.
Ele sentou no corredor porque uma moça chegou primeiro à janela.
Ele tinha cabelos rebeldes e expressão descontraída.
Ao seu lado, uma moça parecia preocupada e usava tênis vermelho.
Ele ligou o ipod, pra passar o tempo.
Tocava alguma música agitada que qualquer um por perto poderia ouvir de tão alto que estava o volume
Ele balançava o pé e a cabeça no mesmo ritmo.
A moça ouviu o barulho ao lado e olhou pelo canto do olho. Riu da aparencia abobada do rapaz ao seu lado.
Este, por sua vez, percebeu o olhar e parou de dançar.
'' Tá ouvindo o quê'', ela quis saber.
''Shwayze'', ele disse.
A conversa começou.
Primeiro sinal vermelho.
Ela descobriu que ele não gostava dos Beatles.
Ele descobriu que ela tinha uma maçã tatuada nas costas.
Ela não se importou. Ele achou interessante.
O ônibus voltou a andar.
Eles trocaram telefone e e-mail.
Ela preferia e-mail. Ele preferia telefone.
Eles riam sem parar.
Ponto de ônibus à vista.
Ela se despede e se levanta.
Ele levanta também: ''Te acompanho'', ele disse.
Foi bonito.
E foi tudo tão fácil..
Ela se atriu pelo jeito do moço e puxou papo.
Ele achou bonito o jeito como ela mexia as mãos ao falar.
Desceram juntos, andaram juntos.
Um beijo. Dois, três, muitos.
Depois muitas brigas.
E divertidas saídas aos sábados à noite.



(ao som de Eduardo e Mônica, saiu isso aí pffff)

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Amor é isso?

- Ei, você.. não se espante se eu sorrir do nada ao te encontrar, nem se eu achar legal qualquer coisa ''meia-boca'' que tenha pra me dizer.
Por favor, não corra de mim se eu parecer patética, se eu tropeçar ou se eu demorar a entender as coisas...
Peço que também, não ache estranho se eu chorar por qualquer bobagem, se eu sair sem mais-nem-menos ou se, por algum motivo, eu parecer arrogante.
Se você perceber alguma coisa, promete ignorar? Finja que não é com voce, porque a minha timidez me faz sentir medo de sentir o que eu sinto.
Pega na minha mão e veja como estou gelando, e suando e tremendo.. Isso porque você não pode pegar no meu coração e ver a confusão que está aqui dentro.
É confusão sim, porque eu te conheço há tempos e parece que acabei de te conhecer. E sinto isso todos os dias, há um bom tempo.
Você é como um filme inédito que passa na Globo -desses que eu já vi, mas sempre quero ver de novo. AAI, falei isso em voz alta?
Sério, eu também iria querer sair de perto se alguém me viesse com papo de filme inédito da globo. Mas lhe prometo pensar em metáfora poética e adequada pra você..
Viu só? Até poeta eu quero ser pra te conquistar..
E devo dizer, que até música ruim eu tenho ouvido pra te impressionar.. Mas não se espante. A música deixou de ser ruim faz tempo, já que me lembra você e tudo o que me lembra você, não pode ser ruim assim...
Amor é isso? Sentir como se conhecesse uma pessoa nova a cada dia, dentro de uma pessoa só? Sentir frio na barriga e nó na garganta só de ver alguém? Não pode ser tão bobo o amor. Amor tem que doer né? Mas esse amor - se for amor- que eu sinto, não me dói, nem me pesa. Me conforta e me alegra.
É, não pode ser amor gostar de alguém que não é seu e não sentir dor. Pra amar, tem que sentir dor, e chorar todas as noites quando ele não é correspondido né? Eu não choro... eu gosto do amor... só porque eu o sinto por ti. Mas o que é então? Se eu pudesse ao menos saber o que é amor...Você sabe? Me ensina?

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Novas cores vão aparecer

E eu só quero que você entenda, que até as cores mudarem, e enquanto não mudam, eu estarei aqui.
Posso sorrir se isso te confortar, posso calar, se você preferir.

Mais uma carta



02 de setembro de 2009

Querida Terezinha,

Desculpe a demora pra voltar a te escrever.. andava eu meio assim sem tempo e você provavelmente ocupada com alguma coisa bem bonita por aí por cima. Por falar nisso, como estão as coisas por aí? Encontrou mais alguém conhecido? Espero que estejam te cuidando direitinho, que quando eu chegar aí vou agradecer a todos.
Por aqui está tudo muito bem... Tenho comido demais, mas já voltei a malhar. Logo logo, perco essa barriguinha saliente e posso usar biquini na praia. Aliás, a ultima vez que fomos à praia, foi no ultimo ano que passou. Realmente não temos tido tempo.
Vou lhe contar, mas já lhe deve ter chegado a noticia, de que eu, o irmão e a minha mãe, estamos passando um aperto.. Estamos bem menos chorosos ultimamente, porque estamos orando, como você aconselharia se estivesse aqui.
Tenho saído mais, também. Cada vez com amigos diferentes.. isso te deixa feliz?
Com o meu pai, por incrivel que pareça - e talvez nem pareça - está tudo indo as mil maravilhas. Nossa relação anda bonita, você precisa ver.. Temos conversdo muito, como nunca achei que iriamos, afinal.
Ah, como você faz falta... de verdade. Não estou lhe pedindo que volte numa maneira que me assuste, por favor. Sabes como sou medrosa, e qualquer coisa pode acabar com meu equilibrio mental. Ah, você deve estar rindo de mim agora.
Eu peguei minhas notas na escola.. ando melhor que no começo, sabia? Já o Pedro, nem vou falar aqui, mas merecia belos puxões de orelha,sabia?
Se estou namorando?
Nem se dê ao trabalho de perguntar essa pergunta que sempre há de ter a mesma resposta. Leia aqui um sonoro NÃO, acompanhado de um duvidoso INFELIZMENTE.
Queria muito seu colo, agora, pra lhe contar depois do almoço com a cabeça descansando em tua barriga, essas coisas da minha vida que nunca dão certo. Sei que você saberia o que dizer. Sinto falta dos teus olhos verdes, também. Nunca mais encontrei olhos assim. Talvez, confesso, seja porque não tenho procurado nada parecido, e nem quero.
Te perdi rápido demais e nem aproveitei.. opa, opa, preciso parar de transformar minha carta em um drama barato. Você já sabe como me doeu te perder e a falta que você faz.
Ah, não posso esquecer de agradecer pelo aroma de rosas que acabo sentindo quando penso em você. Já entendi que isso serve como um tipo de sinal -que até a pessoa mais incrédula como eu, sabe interpretar.
Não ligue pra essas gotas tantas espalhadas nesse papel.. você sabe como sou emotiva e sempre choro de saudades ao pensar em ti. Mas eu queria tanto, e aqui confesso, que você vivesse mais um pouco... não consigo entender porque a vida te levou e me deixou aqui. Tem sido dificil viver nesse planeta, você nem imagina...
Quase ia me esquecendo que hje é o seu aniversário. É ainda, porque eu ainda comemoro o dia em que você nasceu, minha flor. Gostaria de poder te abraçar, portanto, sinta-se abraçada.
Rezo pelo bem da sua alma, todos os dias.
Quero que saiba que se hoje sou feliz, é por tudo o que você me ensinou.
Nunca te perguntei como era o céu, né? Eu espero que não seja todo azul, eu gosto de azul, mas uma cor só deve ser muito chata. Desculpe, comecei a falar bobagens outra vez.

Enfim, obrigada por tantas coisas maravilhosas que fez por mim enquanto esteve aqui. Todos aqui mandam lembranças, um beijo especial e saudades.
Sentimos muito a sua falta, mas sabemos que não tarda muito, nos encontraremos novamente, por aí.

Feliz aniversário, voinha.
Com amor, Maria.